EDUCAÇÃO E ARTE: SONHAR, CONSTRUIR, REALIZAR.

Sobre o ABA

Projeto premiado com a XI edição do Prêmio Arte na Escola Cidadã do Instituto Arte na Escola/ Fundação IOCHPE como a melhor iniciativa em artes do ensino médio em 2010.
O Auto da Barca Amazônica é uma iniciativa em ensino de artes para alunos de escolas públicas.O espetáculo foi criado em 2007 pelos professores Jaqueline Cristina Sosi , artista da cena e Paulo Anete, carnavalesco.A iniciativa tem por objetivos trabalhar a linguagem cênica (teatro, dança circo e cenografia) que resulta na produção de um grande cortejo que sai pelas ruas da cidade de Abaetetuba,localizada na região do baixo Tocantins, estado do Pará
Fiquem à vontade e divulguem nosso trabalho.

Palavras chave:
educação; arte; cortejo;carnaval;circo;teatro;dança

terça-feira, 3 de maio de 2016

Auto da Barca Amazônica VI Edição Acadêmica





           Em breve, esse trabalho será resultado de reflexões durante o processo de construção de pensamento nas diferentes disciplinas do programa de Mestrado Profissional em Artes – PROFARTES, pela Universidade do estado de Santa Catarina, UDESC - CEART em parceria com o Programa de pós graduação em artes PPGARTES _ICA da Universidade Feral do Pará, na linha de pesquisa Processos de Ensino-Aprendizagem e Criação em Artes na área de Teatro.
            Esses relatos escritos ao longo de oito anos em minhas viagens semanais sobre a Baia de Guajará no trajeto Belém-Abaetetuba, no estado do Pará, em diários (escolares ou de bordo) o que chamo de Diários de Rio, são  frutos das experiências adquiridas na construção poética de ensino e aprendizagem do espetáculo Auto da Barca Amazônica (ABA), realizado nos anos de 2007 a 2010, com os alunos do ensino fundamental e médio do Colégio São Francisco Xavier.
            Essas reflexões, ajudarão a compreender como o ABA,  contribuiu para uma prática social no contexto de integração e formação entre escola e comunidade, a partir de elementos extraídos de saberes e oralidades recorrentes da cultura local e das linguagens das artes cênicas (teatro, dança, circo, cenografia, figurino, dramaturgia) que dialogam com a realidade  Amazônica, em sua ampla diversidade cultural trazendo questões sobre a inserção cultural-histórica-social dos alunos para dentro da sala de aula, utilizando essa realidade para estimular o processo crítico-criativo dos discentes.
Aguardem mais notícias!



Um comentário:

  1. Claro que não foi o político Antônio Anastasia (Anastasia foi quem "montou" aqui em BH uma Sala própria de Orquestra -- da Filarmônica de Minas, com a melhor acústica do Brasil; melhor que a Sala São Paulo). Quem acabou com o Balé Jovem do Palácio das Artes -- BH --, foi o PETISTA Pimentel...

    E, por outro lado, quanto ao (muitas vezes “esquecido” dos blogs…): LULOPETRALHISMO:

    Lula é um perigo para a volta à normalidade, lula é o atraso e o prejuízo. Um homem mentiroso VIGARISTA, PeTralha e Picareta.

    Lula é incompetente, foi incompetente quando apostou naquela mulher ignorante em ECONOMIA cujo nome é Dilma Rousseff.


    A pseudoesquerda, certamente. Hipocrisia publicitária e pura propaganda. Já está fazendo Campanha (infiltrado nos blocos de Carnaval, disfarçado).

    ResponderExcluir